João Pessoa, 13 de julho de 2024
  1. Início
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Câmara no Seu Bairro ouve...
Câmara no Seu Bairro ouve demandas da população da área Central de João Pessoa
14.12.2023
Secom CMJP
Olenildo Nascimento

Além de discutir ações de revitalização do Centro Histórico de João Pessoa, a última edição do projeto “Câmara no Seu Bairro” realizada na manhã desta quinta-feira (14) no plenário da CMJP também ouviu as demandas dos moradores do Centro, Torre, Cruz das Armas, Roger, Jaguaribe e Ilha do Bispo. Com direito à fala, os representantes da população reivindicaram melhorias para a região.

O cidadão Evado Oliveira do Rangel solicitou ações efetivas em pelo menos 14 ruas no Varadouro que estão com prédios em ruínas e com marquises em situação de desabar.

Roberto Pires, da Ong Mãos Dadas, pediu a transferência da Unidade da Saúde da Família do Varadouro, que hoje funciona na lateral do antigo Colégio Nossa Senhora das Neves, para o Centro Histórico. Segundo Roberto, a unidade é localizada em uma ladeira, o que dificulta o acesso de idosos, gestantes e pessoas com deficiência. Ele destacou ainda a importância da habitação no Centro Histórico. “A gente precisa habitar o Centro com pessoas que realmente precisam morar aqui. A gente tem que se unir em prol do Centro, com segurança pública, com moradia, com a volta da integração”, declarou, salientando que a região é o coração da cidade.

Já Itamar Pontes reivindicou para o bairro de Jaguaribe uma Unidade de Saúde na Avenida Paulo Afonso, a volta do Ônibus 201 e do Terminal da Integração, manutenção das praças e melhorias na pavimentação asfáltica.

A presidente da Associação dos Ambulantes da Paraíba, Márcia Medeiros, ressaltou a necessidade da inclusão da categoria no planejamento da área. “Se não olhar para o trabalho informal, nada no Centro vai ser resolvido. O trabalho informal aquece, sim, a economia desse Brasil, desta cidade. E quando todo mundo fugiu do Centro da cidade, o trabalhador ambulante ficou lá. Se ele não está organizado, é porque não pararam para organizar, porque durante muito tempo acharam que o trabalhador ambulante tinha que sair do centro da cidade debaixo de um chicote, apanhando, e nós não vamos permitir isso nunca. O centro da cidade precisa ser pensado com quem ocupa, com os trabalhadores ambulantes”, enfatizou.

Compartilhe:
© Copyright 2023. Todos os Direitos Reservados.