Vereador pede que não haja indiferença em relação aos alagamentos em JP

por admin publicado 13/12/2016 14h35, última modificação 07/07/2019 22h22
Raoni Mendes (DEM) fez um apelo a seus colegas de Parlamento para que não se isentem do papel de fiscalizadores

O vereador Raoni Mendes (DEM) chamou a atenção para os alagamentos na Capital devido às chuvas. Em seu pronunciamento, na sessão ordinária da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) desta quarta-feira (20), ele pediu que seus colegas de Parlamento não se esquivem de sua responsabilidade de fiscalizar os assuntos da cidade. Raoni se referiu à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Lagoa, protocolada na Casa para investigar as obras do Parque Solon de Lucena, e ao perigo de desmoronamento da Falésia do Cabo Branco.

“O maior inimigo do conhecimento não é a ignorância, mas a ilusão da verdade”, disse o parlamentar citando Stephen Hawking. “Enaltecer a obra da Lagoa pode, mas se solidarizar com os pobres e com quem sofre com os alagamentos não pode?”, indagou Raoni.

Na oportunidade, o parlamentar frisou que o Ministério Público Federal (MPF) está intimando os empresários responsáveis pela obra da Lagoa para esclarecer detalhadamente o relatório elaborado pela Controladoria-Geral da União (CGU). O documento teria apontado irregularidades na obra.

“Ano passado, a solução para a barreira do Cabo Branco foi apresentada nesta Casa. Prometeram soluções com um projeto faraônico de R$ 70 milhões e, nesse tempo, nem foram capazes de calçar a rua que dá acesso ao Centro de Convenções, que fica naquelas proximidades”, criticou Raoni.

Segundo o parlamentar, com as chuvas ocorridas na Capital nos últimos dias, uma parte do túnel da Lagoa, na Avenida Guedes Pereira, Centro da cidade, voltou a estourar, alagando e rompendo o asfalto da via. Além disso, Raoni chamou a atenção para o perigo de a Falésia do Cabo Branco desmoronar, reforçando o anúncio em notícia do jornal Correio da Paraíba do dia.

Raoni ainda mencionou que todas as soluções executadas hoje na cidade foram pensadas no Governo do ex-prefeito Luciano Agra.

“Não planejaram as obras das comunidades Riachinho, Saturnino de Brito, nem do Timbó. Todos sabem que a resolução dos problemas de infraestrutura no Timbó, por exemplo, foram pensadas na gestão Agra, e que os convênios executados nesta Administração advém do período de 2008 a 2012. Vão na rua Sérgio Guerra, nos Bancários, e na Avenida Guedes Pereira, no Centro da cidade, fazer o discurso de que as obras vão bem. Foram gastos milhões de Reais para solucionar o problema da Lagoa, mas ele foi resolvido? Não”, afirmou Raoni Mendes.